Inicial

 

 

 

 

 

Graça e Apostolado é o Evangelho que foi entregue ao Apóstolo Paulo.

Graça e Apostolado representa a Unidade Perfeita do Evangelho da Graça, depois da morte e ressurreição de Cristo.

Graça, ou Incircuncisão, ou Novo Pacto, ou ainda Novo Testamento, é o evangelho eterno inaugurado com a morte de Cristo na cruz. É a doutrina.

Apostolado é a maneira, o proceder, a forma de conduta que deve ser aplicada a esta forma de doutrina.

Por isso, quando escreveu aos Romanos em 6:16-18, o apóstolo Paulo quis mostrar àquela igreja em Roma que eles haviam sido livrados de um sistema onde estavam escravizados à lei de Moisés e ao pecado para se tornarem justificados pela Fé de Cristo.

E esta Fé lhes foi imputada, e não conquistada através de esforços religiosos.

A Ciência da Graça e Apostolado vs O Sistema Religioso

Podemos comparar perfeitamente a Ciência da Graça com o sistema religioso através do quadro abaixo:

 

 

 

 

Basta observar com atenção este comparativo para se notar o grande equívoco que cometem todas as religiões que dizem estar fundamentadas no Cristianismo.

Imitar a Jesus de Nazaré não é praticar o Cristianismo, mesmo porque Jesus de Nazaré foi judeu até o último dia de sua vida em carne. Deus estava nele, sim, mas o Cristianismo só começou, de fato, após sua morte, quando foi encomendado ao Apóstolo Paulo o Evangelho da Graça, ou da Incircuncisão. 

A própria Bíblia, o livro mais vendido do mundo há mais de 50 anos, está compilado de forma equivocada, principalmente em sua divisão entre Antigo e Novo Testamento.

Escrevendo aos Hebreus, no capítulo 9 versos 16 e 17, o Apóstolo Paulo afirma que é necessário que o testador morra para que o testamento tenha validade.

Quer dizer: Os livros históricos de Mateus, Marcos, Lucas e João não podem ser incluídos no Novo Testamento bíblico, pois são narrativas da vida de Jesus de Nazaré até sua morte e ressurreição, vivendo como judeu debaixo da Lei de Moisés que ele veio para cumprir com sua morte e, assim, estabelecer um Novo Pacto que validaria o Novo Testamento.